Uma das perguntas mais comuns que ouvimos no dia a dia de uma oficina mecânica e no mundo dos modificadores de motores é “Se eu usar essas partes, qual será a compressão do meu motor?” Essa parece ser uma das áreas mais incompreensíveis da criação de um motor de desempenho. Neste breve artigo, discutiremos os dois tipos de taxas de compressão, Mecânica e Corrigida, e como calculá-las.

O que é taxa de compressão?

Primeiro, vamos entender o que significa a taxa de compressão e como ela afeta o mecanismo de combustão interna. A taxa de compressão é simplesmente o volume do cilindro e o volume da câmara de combustão do cabeçote quando o pistão está no Ponto Morto Inferior (BDC) e o volume da câmara de combustão da cabeça do cilindro quando o pistão está no Ponto Morto Superior (TDC).

Como calcular a taxa de compressão?

Vamos usar um motor hipotético para simplificar as coisas. Se tivermos um motor, no BDC que tem um volume de 900 cc no cilindro e um volume da câmara de combustão de 100 cc, então este volume é reduzido para os 100 cc da câmara de combustão no TDC. Isto significa uma taxa de compressão de 1000:100 ou reduzindo-o fracionariamente, uma taxa de compressão de 10:1.

Taxa de compressão motor, potência e combustíveis

As taxas de compressão podem ser uma faca de dois gumes em muitos aspectos. Primeiro, quanto maior a compressão, mais potência o motor será capaz de entregar. Isto é devido a ser capaz de extrair maior energia mecânica de uma determinada quantidade de mistura de ar/combustível que é criada pela sua maior eficiência térmica. Taxas de compressão mais altas colocam a estrutura molecular do combustível e do ar em uma área menor, juntamente com o calor adiabático da compressão, o que causa uma maior evaporação e mistura das gotículas de combustível na câmara de combustão.

Taxa de compressão

Entenda a taxa de compressão do veículo e veja como ela influencia a potência e desempenho do motor. (Foto: KING TONY)

Motores de alta compressão produzem grande potência, mas é preciso entender que motores com maior compressão exigem combustível de maior octanagem e grau. Combustíveis de baixa octanagem e baixa qualidade podem causar danos severos e irreparáveis ​​a um motor devido à detonação. A detonação é causada quando o combustível se auto-inflama com compressão e não durante a fase de disparo do sistema de ignição. A detonação pode ser a causa de falhas na biela, falhas no pistão e muito mais.

Assim como a alta compressão quer um melhor combustível, o outro lado da moeda está operando com combustíveis de alta octanagem em motores de baixa compressão. Correndo combustível de alta octanagem em um motor de baixa compressão é, bem, jogar um bom dinheiro em um buraco negro. Você não vai produzir mais energia do que usaria com o combustível correto e de baixa octanagem, devido ao fato de que o motor de compressão inferior simplesmente não tem compressão suficiente para suportar o combustível de alta octanagem. A execução de combustíveis de alta octanagem em um motor de baixa compressão é muitas vezes a razão pela qual os passageiros se queixam de problemas de sintonização de carburadores, sistemas de ignição etc. Em muitos casos, a única razão pela qual o operador sente mais energia é devido ao fato de ele ter gasto mais dinheiro.

Octanagem e taxa de compressão

Uma regra simples a ser lembrada é que quanto menor a octanagem, mais rápida será a queima, e quanto maior a octanagem, mais lenta será a queima do combustível. É por isso que motores de alta compressão, como combustíveis de alta octanagem, porque queimam mais devagar e não são tão propensos à auto-ignição, ou detonação. A mesma regra se aplica aos motores de baixa compressão que gostam de combustíveis de baixa octanagem. Motores de compressão mais baixa não precisam trabalhar tanto para acender a mistura de combustível, pois o combustível de baixa octanagem queima mais rápido sem muita compressão.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas para que possamos ajudar!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)