Independentemente de ser um motor de automóvel ou o motor de um cortador de relva, a “bobina de ignição” é, sem dúvida, o componente mais importante da mesma. É este componente do sistema de ignição que gera a enorme quantidade de energia necessária para acender a vela. Mas como uma bobina de ignição gera uma quantidade tão grande de energia? Para entender isso, você precisa estar bem versado em seu mecanismo de trabalho.

O que é uma bobina da ignição?

Em um motor de combustão interna, “ignição” refere-se ao processo em que uma faísca produzida pela vela de ignição provoca uma explosão e inflama a mistura ar-combustível necessária para alimentar o motor. O sistema de ignição consiste em vários componentes, ou seja, bobina de ignição, vela de ignição, distribuidor, rotor, etc. Cada um deles é atribuído a uma função específica no mecanismo de trabalho geral do motor. Enquanto a vela cria uma faísca necessária para desencadear a explosão da mistura ar-combustível, o distribuidor distribui essa faísca para a vela apropriada.

Como funciona a bobina automotiva?

O poder que a bateria de 12 volts usada na máquina tende a produzir é insuficiente para acionar a faísca necessária para facilitar a explosão, que é onde a ‘bobina de ignição’ entra em cena. Ele converte a energia de 12 volts da bateria em energia de 40 kV necessária para criar a faísca. Em outras palavras, é uma bobina de indução, que converte a energia relativamente fraca da bateria em uma enorme potência – equivalente a 40 kV – necessária para produzir a faísca que inflama a mistura ar-combustível no sistema de ignição.

A corrente da bateria começa a se acumular quando o disjuntor de contato se fecha e continua até atingir sua capacidade total. Quando atinge sua capacidade total, o disjuntor de contato se abre e a faísca de alta tensão é produzida. Se a bobina de ignição não estiver lá, a bateria de 12V CC a bordo do veículo é inútil, já que uma quantidade tão pequena de energia não é suficiente para criar a faísca necessária para produzir a explosão. Enquanto algumas dessas bobinas recorrem ao resistor para reduzir a tensão, outras dependem de um fio resistivo ou de um resistor externo para facilitar o mesmo.

Bobina de ignição

A bobina de ignição é um importante componente dos veículos, e entender seu funcionamento irá contribuir para uma melhor manutenção dos veículos. (Foto: LiveAbout)

Partes da bobina do carro

Basicamente, a bobina de ignição é composta de duas bobinas de fio – colocadas uma sobre a outra. Estas bobinas são também referidas como enrolamentos, sendo a primeira bobina referida como a “bobina primária”, enquanto a segunda bobina, que é envolvida em torno da bobina primária, sendo referida como a “bobina secundária”. O número de voltas na bobina secundária é em múltiplos do número de voltas na sua contraparte primária. A corrente flui da bateria através da bobina primária, onde é coletada em conjunto para produzir a centelha necessária, que é eventualmente enviada ao distribuidor pela bobina secundária.

Para garantir que a enorme quantidade de calor gerada nesse processo não prejudique a bobina, ela é preenchida com óleo que atua como refrigerante. Enquanto alguns modelos de motores são equipados com uma única bobina de ignição, outros têm um para cada vela de ignição. Nos modelos com vela de ignição única, um distribuidor é usado para distribuir a centelha para a vela apropriada.

Problemas com a bobina de ignição

Dos vários problemas de ignição que você provavelmente enfrentará, a faísca fraca e a bobina não são acionados são aqueles atribuídos à bobina de ignição. Para diagnosticar esses problemas, você pode recorrer ao teste da vela de ignição ou ao teste de bancada. Isso ajudará você a determinar se precisa substituí-lo.

Ficou alguma dúvida? Deixe nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)