Você já se perguntou o que um conversor de torque faz? Talvez você mal tenha se preocupado com esse componente da sua transmissão automática. Porém, ele é essencial para que o movimento chegue até as rodas do seu veículo. Vamos tentar entender as funções desse componente e as partes do conversor de torque.

O que é o conversor de torque?

O conversor de torque transfere a potência do motor para a transmissão. imagem de uma turbina de uma transmissão automática, sem um conversor de torque, sua transmissão automática não funcionará. Os carros com transmissões automáticas não têm embreagens, por isso precisam de uma maneira de deixar o motor continuar funcionando enquanto as rodas e as engrenagens da transmissão param. Carros de transmissão manual usam uma embreagem que desconecta o motor da transmissão. Transmissões automáticas usam um conversor de torque.

Um conversor de torque é um acoplamento que depende de um fluido hidrodinâmico para permitir que o motor gire independentemente da transmissão.

Quando o motor está em marcha lenta, como em uma luz de parada, a quantidade de torque que passa pelo conversor de torque é pequena, mas ainda o suficiente para exigir alguma pressão no pedal do freio para impedir que o carro se desloque. Quando você solta o freio e pisa no acelerador, o motor acelera e bombeia mais fluido para o conversor de torque, fazendo com que mais potência (torque) seja transmitida às rodas.

Como funciona um conversor de torque?

Existem três partes principais em um conversor de torque.

Impulsor

A primeira parte do conjunto do conversor de torque é chamada de impulsor, também conhecida como bomba. Está cheio de líquido e gira com o virabrequim do motor. Quanto mais rápido ele gira, mais força é criada à medida que o fluido flui mais rápido e mais rápido.

Turbina

O impulsor força o fluido em um conjunto de pás chamadas de turbina. A turbina fica em frente ao rotor e gira quando o fluido do rotor atinge suas lâminas. À medida que o fluido flui através da turbina, ele é repetidamente transferido da seção externa para a seção interna da turbina, depois retornado ao rotor. Essa circulação constante de fluido do impulsor para a turbina, depois de volta ao impulsor, cria um “acoplamento” de fluido.

Estator

O estator inverte o fluido e o envia de volta ao impulsor, retardando o fluido. Quando o fluido da transmissão retorna ao impulsor para manter o ciclo ativo, é onde o torque é criado. Neste ponto, o fluido está fluindo em uma direção diferente do que era originalmente quando saiu do impulsor. É onde entra o estator. O estator é outra série de aletas localizadas entre as duas turbinas no eixo de transmissão. Suas lâminas são anguladas de forma que quando o fluido da transmissão flui para dentro delas, ele inverte a direção e é canalizado de volta para o impulsor. Quando o veículo para, a “embreagem” do estator unidirecional faz com que ele pare de girar, o que interrompe o circuito hidrodinâmico.

Junto com o impulsor, turbina e estator há três estágios de operação.

Ponto morto

O motor fornece energia ao impulsor, mas o impulsor não gira porque o motorista mantém a pressão no freio, como em uma luz de parada. O veículo não se move, mas não fica parado.

Aceleração

Aceleração ocorre quando o motorista tira o pé do freio e pisa no acelerador. O impulsor começa a girar mais rapidamente e há uma grande diferença entre a velocidade do impulsor e da turbina. Isso cria torque e o conversor produz multiplicação de torque, que é necessária para a aceleração.

Acoplamento

À medida que o veículo atinge a velocidade de cruzeiro, a turbina gira na mesma velocidade do impulsor e o acúmulo de torque é interrompido. Nesta fase, o conversor de torque é apenas um acoplamento fluido. A transmissão automática usa o que é chamado de embreagem de travamento para “travar” a turbina no impulsor. Isso elimina a perda de energia e mantém o carro em movimento suave. Como o impulsor é montado no alojamento do conversor de torque e o conversor é conectado ao motor, o impulsor obtém sua energia do motor. A turbina é conectada ao eixo de saída, que envia energia para a transmissão. É por isso que você pode sentir tremores ou estremecimentos quando algo dá errado com o conversor de torque.

Conversor de torque

O conversor de torque é um componente da transmissão automática que substitui o trabalho realizado pelas engrenagens das marchas. (Foto: IndiaMART)

Problemas no conversor de torque

Os problemas de transmissão podem, na verdade, ser o conversor de torque Os problemas do conversor de torque podem ser mal interpretados como sintomas de uma falha na transmissão. Não se iluda pensando que você precisa de reparos caros ou até mesmo de uma substituição completa da transmissão.

Um diagnóstico preciso por um técnico de transmissão treinado e honesto informará qual é o problema e quais reparos você precisa. Claro, substituir o conversor de torque não é barato, mas é definitivamente menos caro do que uma nova transmissão. Diagnosticar a causa de um problema de transmissão não é fácil. Pode ser apenas um vazamento de fluido ou algo totalmente diferente, e uma inspeção e diagnósticos de transmissão nos ajudam a encontrar os problemas e a recomendar os serviços certos.

Os sinais de um conversor de torque com falha são muito parecidos com os de uma transmissão com falha. Aqui estão algumas coisas para estar ciente.

Agitando e estremecendo

Se seu carro treme e estremece, isso pode significar que a embreagem de travamento está falhando ou precisa ser ajustada. Você experimentará o carro tremendo a velocidades em torno de 55 a 70 quilômetros por hora. É um problema que você não pode não perceber Parece que você está dirigindo em uma estrada de terra ralada com muitos cumes pequenos. Uma embreagem de travamento desgastada pode fazer a transição da aceleração para a velocidade de cruzeiro desconfortável, para dizer o mínimo – e é um sinal de que você precisa ter sua transmissão verificada.

Superaquecimento

Se seu carro superaquecer regularmente, pode ser um sinal de que o fluido da transmissão está baixo. Baixo nível de fluido resulta em baixa pressão, o que significa que o conversor de torque não pode fazer seu trabalho. Além disso, fluido baixo pode causar mau funcionamento do conversor de torque. Se o conversor estiver superaquecendo, ele não poderá transferir energia do motor para a transmissão. Isso resulta em aceleração deficiente e desgaste excessivo na transmissão.

Escorregamento

Uma aleta danificada no conversor de torque pode causar falhas na transmissão quando ela se desloca ou a transmissão deslizar totalmente para fora da marcha. Isso ocorre porque o torque do motor não está sendo convertido na pressão hidráulica que a transmissão precisa para mudar as marchas. O escorregamento também pode ser causado por muito pouco ou muito fluido na transmissão.

Maior velocidade de ponto morto

Um mau funcionamento ou falha no conversor de torque fará com que a transmissão leve mais tempo para engatar com o motor. Isso resulta em altas velocidades de ponto morto/marcha lenta. Existe uma maneira de testar isso, mas você precisa conhecer as especificações de velocidade do seu motor e conversor de torque.

Sons

Sons estranhos são sempre um sinal de algo problemático. Qualquer som estranho, como clicar, girar, ou chiar, indica possíveis problemas com o conversor de torque – ou com a transmissão. Seja qual for o caso, você não saberá até prestar atenção a esses ruídos, prestar atenção e levar seu carro a um técnico qualificado especializado em transmissão.

A má manutenção é uma desculpa ruim para problemas de transmissão

Mesmo uma transmissão mal construída sofrerá de pouca manutenção. Coisas como tipos errados de fluidos ou quantidades incorretas de fluido podem causar muitos danos a uma transmissão. Níveis de fluidos incorretos geralmente resultam de um cronograma de manutenção ruim ou inexistente, bem como do desconhecimento do que é necessário para manter um carro de forma eficaz. Se você verificar regularmente o fluido da transmissão e trocá-lo ou lavá-lo de acordo com a programação de manutenção recomendada pelo fabricante, não terá muito com o que se preocupar. Se você verificar o fluido, esteja ciente não apenas dos níveis, mas das cores. Negligenciar estar ciente das coisas simples que podem ajudar ou atrapalhar sua transmissão acelerará seu fim.

Visite um centro de manutenção de carros qualificado para fazer a manutenção preventiva da sua marcha automática. Quando surgirem problemas maiores e você precisar de reparo, reconstrução ou substituição de transmissão, agende um atendimento com um bom mecânico antes que seja tarde demais.

Você já teve problemas com o conversor de torque? Como fez para identificar?

Um comentário para “Entenda como funciona um conversor de torque: problemas comuns e componentes!”

  1. Jose

    Boa tarde que texto esclarecedor, uma aula maravilhosa sobre o funcionamento do conversor de torque.Muito obrigado.

    Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)