Para-choque dianteiro: trocar ou recuperar?

Em Mecânica e manutenção de veículos por André M. Coelho

Se você se encontra em um acidente de estrada ou acidentalmente atingiu uma coluna ou pilar no estacionamento, os para-choques do seu carro são o primeiro ponto de contato entre o seu veículo e qualquer coisa além dele. Apesar disso, seus para-choques dianteiros e traseiros não são destinados a repelir o que acertarem.

O que eles fazem principalmente é absorvem algum desse impacto, reduzindo o dano ao resto do carro, além de baixar o risco de lesão nas pessoas dentro.

Simplificando, seu para-choque é projetado para tomar um pouco de punição. Isso pode parecer que torna o componente “descartável”, mas você deve consertar ou trocar  seu para-choque quando for danificado?

Isso é o que vamos descobrir neste artigo. Como acontece, há algumas situações em que o reparo do para-choques é a melhor coisa a fazer. Ainda assim, chega o ponto em que você seria melhor substituir o pára-choques.

Vamos descobrir o que faz a diferença entre essas duas opções.

Para-choque danificado: como ocorreu o dano?

Os tipos mais comuns de danos no para-choques são arranhões, amassados, rachaduras e quebras.

Como a primeira linha de defesa do seu carro, seu para-choques está no final de todos os tipos de danos. Ainda assim, é essencial entender que nem todos os tipos de dano são os mesmos. Em vez disso, cada um deles pode ser colocado nas quatro categorias distintas mencionadas acima.

Mas que diferença faz se o seu para-choque é danificado por arranhões, amassados, rachaduras ou quebras? Bem, é porque cada tipo de dano exige um tipo diferente de reparo.

E como você verá abaixo, alguns tipos de dano não podem ser consertados em uma recuperação de para-choques, exigindo que você substitua a coisa toda.

Trocar ou reparar o para choque

Com danos muito grandes, é melhor trocar do que reparar um para-choque. (Imagem: Auto Group)

Como funciona a recuperação de para-choque?

Você deve reparar seu para-choque se estiver danificado por arranhões, amassados, rachaduras ou uma pequena quebra. No entanto, o tipo exato de reparo dependerá do tipo de dano que sofreu.

Veja como alguns dos tipos mais comuns de danos ao para-choque podem ser corrigidos.

1. Arranhões

Riscos leves são provavelmente o tipo mais comum de dano que um para-choque de carro experimentará. Estes poderiam ser causados ​​por uma raspagem suave contra outro carro ou contra uma parede. Um transeunte que acidentalmente escova sua bagagem contra o seu veículo também poderia deixar arranhões leves no para-choques.

Os arranhões podem ser irritantes, mas também são o tipo mais fácil de danos ao para-choques para corrigir. Com apenas um pouco de cera, você pode encerrar os arranhões leves sem problemas. A fricção do polimento irá ajudá-lo a desaparecer esses arranhões, tornando-os praticamente invisíveis.

Riscos mais profundos, no entanto, precisarão de uma aplicação ou duas de tinta epóxi para cobri-lo. Dessa forma, vai se misturar com o resto do para-choques e ser mais difícil de notar.

2. Amassados

Impactos mais substanciais podem causar amassados para se formar no para-choques do seu carro. Reparar um amassado no para-choques do seu carro é quase o mesmo que consertar os amassados no corpo do veículo. No entanto, pode-se argumentar que é muito mais fácil consertar em um para-choques.

Basicamente, o reparador empurrará suavemente esses dentes e “massageará” o para-choque de volta para sua forma original. Como uma técnica separada ou adicional, alguns reparadores podem usar um dispositivo de vácuo para sugar o amassado para fora, também.

Em muitos casos, a aplicação de uma nova camada de tinta pode ser desnecessária.

3. Rachaduras

Rachaduras em um para-choques de carro são um pouco mais complicadas para corrigir. Em primeiro lugar, ter uma rachadura significa que há uma lacuna no material do para-choques. Por causa disso, as rachaduras devem primeiro ser cobertas com o enchimento antes que você possa pintar sobre elas para se misturar com o resto do para-choque novamente.

Quanto mais profundamente as rachaduras estão em um para-choques de carro, mais a integridade estrutural do para-choques é comprometida. Então, o conserto de rachaduras profundas com enchimento e tinta não é suficiente para fazer o trabalho certo. Além disso, o para-choques deve ser reforçado com uma malha para garantir que o para-choque possa oferecer pelo menos alguma proteção ao carro novamente.

4. Quebra

O tipo mais grave de dano de carro de carro é uma quebra. Sim, ainda é possível consertar quebras, e as técnicas usadas são semelhantes às usadas ao corrigir rachaduras. As quebras são cobertas com enchimento, enquanto o reforço de malha também precisará ser aplicado.

Ainda assim, tudo isso dependerá de quão severa é a quebra e onde aconteceu no para-choques. Por exemplo, uma pequena quebra para o lado do para-choques pode ser consertável. No entanto, uma ruptura significativa no centro pode não ser algo que você gostaria de tentar consertar.

Quando trocar o para-choque?

Um reparador experiente e qualificado fará uma avaliação cuidadosa do seu para-choque danificado e dizer se ele pode ou não ser corrigido. Dependendo do tipo e severidade do dano, pode ser mais simples e mais seguro substituir o para-choques em vez de insistir em mais reparos de para-choques.

Alguns exemplos perfeitos são quando o para-choques tem uma quantidade excessiva de rachaduras ou quebras graves que são impossíveis de consertar. Neste ponto, a integridade estrutural do para-choques é indubitavelmente comprometida, tornando-o inseguro para usar no seu carro.

Além disso, dano de tinta significativo também é um fator que pode tornar mais viável comprar uma substituição em vez de pagar por mais reparos.

Por fim, uma substituição de para-choques é, sem dúvida, uma escolha sábia se os ganchos ou montagens do para-choques estiverem quebrados. Estas são as pequenas partes que mantêm seu para-choques ligado ao carro. Então, se eles estão quebrados, isso aumenta o risco de que o para-choque possa cair enquanto você está dirigindo na estrada.

Além de ser muito ruim, esse tipo de situação representa um perigo para você e outros carros na estrada.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos ajudar!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

O pai de André já teve alguns carros clássicos antes de falecer, como Diplomata, Chevette e Opala. Após completar 18 anos, tirou carteira de moto e carro, comprando então sua primeira moto, uma Honda Sahara 350. Fez um curso de mecânica de motos para começar uma restauração na moto, e acabou aprendendo também como consertar alguns problemas de carros. Seu primeiro carro foi uma Nissan Grand Livina de 2014 e pretende em breve comprar uma picape diesel. No caminho, vai compartilhando tudo que aprende no site Carro de Garagem.

Deixe um comentário