O que é direção assistida?

Escrito na categoria "Compra e venda de veículos" por André M. Coelho.

A direção assistida elétrica lentamente conquistou a vanguarda da engenharia automotiva, com alguns dos carros de maior desempenho à venda  fazendo a transição de seus sistemas de direção para a era eletrônica. Até mesmo os sistemas de veículos mais básicos estão indo para a direção da direção elétrica ou assistida. O que ela significa para seu veículo demanda um pouco de explicação.

Tipos de direção: começando pela mecânica

Se você já dirigiu um fusca, opala, maverick, uma kombi, ou qualquer veículo mais antigo, sabe muito bem que a direção é bem dura. Virar o veículo, em algumas situações, é quase uma sessão de musculação, dada a força que tem de ser aplicada. Isto ocorre porque todo o movimento do volante até as rodas é feito por um sistema de engrenagens, sem muitos auxílios.

Dada a necessidade de amenizar o impacto da direção e torná-la mais segura, os engenheiros passaram a usar então o recurso da hidráulica.

Antes da direção assistida, temos a hidráulica

Em tempos mais simples, antes de qualquer forma de assistência de direção, a direção era o mais analógica possível, usando um sistema de cremalheira e pinhão para direcionar o carro na direção desejada. Em seguida, veio a direção assistida hidraulicamente, que dominou o mundo automotivo desde 1951, quando foi lançada pela Chrysler.

Esta forma de sistema utiliza uma bomba hidráulica que é acionada por uma correia presa ao motor. Um aríete motorizado é movido pelo fluido hidráulico que é pressurizado através do movimento da correia. Uma válvula de controle então determina quanta pressão hidráulica é necessária para mover as rodas em qualquer direção, dependendo da entrada da direção. O sistema hidráulico amplifica a quantidade de carga aplicada à cremalheira da direção, reduzindo assim os níveis de esforço necessários para mudar de direção.

Desvantagens da direção hidráulica

Embora os sistemas hidráulicos ainda sejam muito usados ​​hoje e tenham sido quase perfeitos, eles têm suas desvantagens. Como a bomba é tecnicamente acionada pelo motor, a assistência hidráulica é considerada uma perda parasitária. Isso significa que uma pequena quantidade de potência é drenada do motor para fazer a bomba funcionar, o que reduz a eficiência geral do trem de força.

Hoje em dia, os carros de alto desempenho também precisam produzir um conjunto de modos para o motorista escolher, e a maioria deles inclui um ajuste de direção. Isso não é conveniente para a hidráulica, pois o fluido hidráulico sendo bombeado através do sistema terá uma viscosidade definida (a facilidade com que um fluido flui), portanto, alguma forma alternativa de restrição deve ser usada.

Sistema de direção assistida

A direção assistida, também chamada de direção elétrica, contribui para uma direção mais suave e segura para o motorista. (Foto: divulgação)

O que é a direção elétrica ou assistida?

Os engenheiros trabalharam para substituir o sistema hidráulico da velha escola por motores elétricos, o que não é surpreendente, considerando a mudança geral para carros totalmente elétricos. Os motores são normalmente colocados na base da coluna de direção ou diretamente na cremalheira da direção e se tornaram uma solução bastante simples para o avanço da direção hidráulica no século XXI.

Sensores eletrônicos captam a quantidade de bloqueio de direção que está sendo aplicado e adicionam uma quantidade proporcional de força adicional à entrada de direção. A carga elétrica é usada para girar o motor e, por meio da transferência de energia, é produzida uma força lateral que auxilia no movimento ao longo da cremalheira da direção.

Então, basicamente a direção elétrica ou assistida é um conjunto de sensores e motores elétricos que auxiliam na direção do veículo, tornando os movimentos das rodas e do volante mais fluidos e reduzindo a resistência total do sistema.

Como funciona a direção assistida: feedback de direção

O principal argumento contra a eletrônica é a sensação de direção. Como os sistemas hidráulicos são táteis devido à presença de um fluido viscoso, eles são amados pelos puristas devido à quantidade de feedback que pode ser transferido através da cremalheira de direção e de volta ao volante. Portanto, quando os sistemas de direção elétrica entraram em ação, muitos testadores de estrada reclamaram da falta de feedback. Como a eletricidade é efetivamente uma mercadoria não tátil, é justo supor que muito pouca força de reação retornará através de um motor elétrico.

Assim que os sistemas EPAS (direção assistida elétrica) foram desenvolvidos e refinados, fabricantes conseguiram criar sistemas eletrônicos que combinavam com a sensação de um sistema hidráulico e então ultrapassaram o método mecânico em muitos campos. Eles fizeram isso mudando a direção do circuito de feedback dentro da eletrônica.

A maioria dos fabricantes emprega um sistema que insere uma força de assistência de direção calculada a partir de um sensor de torque das rodas. Outras usam sensores de viragem, ângulo de direção e outros valores do controle de estabilidade para aumentar e diminuir a assistência de acordo e em uma taxa muito mais frequente. Isso significa que a sensação de “direção” é reintroduzida no sistema EPAS e, além daqueles que dirigem carros completamente sem assistência, nenhuma diferença real pode ser encontrada entre esses sistemas EPAS e um sistema HPAS.

Direção elétrica e economia de combustível

Outras vantagens da direção elétrica vêm na forma de eficiência, conveniência e embalagem. Por exemplo, a Chevrolet teve um aumento de 2,5 por cento na economia de combustível desde a mudança para a direção eletrônica devido à falta de resíduos parasitas do motor. O estacionamento guiado por radar também funciona em conjunto com um sistema EPAS e com o enorme impulso em direção à automação, a direção eletrônica definitivamente veio para ficar.

Veículos esportivos com motores dianteiros são ótimos estudos de caso para as vantagens de um sistema de eletrônica assistida. Antes da mudança para a eletrônica, uma vasta rota de tubulação hidráulica tinha que ser projetada no design do carro para viajar do motor para as rodas. Um sistema EPAS completo possibilitou para que os motores pudessem ser posicionados na frente dos carros sem a necessidade de tubulação longa, auxiliando na distribuição de peso dos veículos.

Em termos de modos de corrida e botões esportivos em carros de alto desempenho da última década, os sistemas EPAS permitem que sejam feitos ajustes no peso e na velocidade da direção simplesmente alterando a quantidade de carga criada pelo motor eletrônico, que por sua vez altera o quantidade de assistência de direção. Em um sistema HPAS, essas mudanças podem ter que ser implementadas por meio de mudanças físicas no sistema de direção, como uma mudança na cremalheira ou na pressão do fluido para afetar a quantidade de comando de direção necessária para manobrar o carro.

Qual a diferença entre um sistema EPAS e um HPAS?

Agora está ficando difícil dizer a diferença entre um sistema EPAS moderno e um sistema HPAS refinado, e os benefícios da eletrônica muito distantes daqueles das configurações hidráulicas mais tradicionais. Embora algumas empresas produzam sistemas híbridos que incorporam um motor elétrico para acionar um sistema de aríete hidráulico, a grande maioria dos fabricantes agora está inclinada para a direção totalmente elétrica assistida.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

O pai de André já teve alguns carros clássicos antes de falecer, como Diplomata, Chevette e Opala. Após completar 18 anos, tirou carteira de moto e carro, comprando então sua primeira moto, uma Honda Sahara 350. Fez um curso de mecânica de motos para começar uma restauração na moto, e acabou aprendendo também como consertar alguns problemas de carros. Seu primeiro carro foi uma Nissan Grand Livina de 2014 e pretende em breve comprar uma picape diesel. No caminho, vai compartilhando tudo que aprende no site Carro de Garagem.

Deixe um comentário